, , e

maio/2013 | Artigos

Uma via de mão dupla

A importância do profissional de Relações Públicas no Terceiro Setor

A atividade do profissional de Relações Públicas é fundamental para qualquer organização e isso a torna versátil, podendo atuar em diversos setores. A importância do RP no Terceiro Setor aparece na definição dos objetivos, valores, ações e estratégias que fortalecem cada vez mais as instituições.

O Terceiro Setor viabiliza aspectos como militância e bem social, o que faz do profissional de RP peça fundamental para a instituição, na busca por parceiros, voluntários e captação de diferentes recursos para a causa e no cuidado da comunicação interna e externa da instituição.

Glafira Furtado, professora do curso de Comunicação Social da PUCRS, vê com clareza a atuação de um profissional de Relações Públicas no Terceiro Setor, por ser uma profissão voltada diretamente para a sociedade e suas relações repletas de sensibilidade. “Os alunos do curso de Comunicação Social da Famecos, pouco veem de Comunicação Comunitária no decorrer da faculdade, com exceção do curso de Relações Públicas, onde vários projetos têm total foco nesta área”, destaca Glafira.

A professora, que ministra a disciplina de Projeto Comunitário, acredita que a matéria é uma das mais importantes, pois consegue, junto com os alunos ao longo do semestre, realizar uma experiência bastante intensa e extensa, na medida em que, normalmente nos cursos de RRPP, de um modo geral, prioriza-se o cliente com mais visibilidade no mercado, diferentemente do projeto comunitário que, normalmente, estimula o aluno a atender um cliente que realmente tenha uma situação bastante precária.

Para a coordenadora do Curso de RRPP da Famecos, Cláudia Peixoto de Moura, o Terceiro Setor é uma grande oportunidade, ela acredita que o profissional dessa área tem aspecto mais humanizado e casa muito bem com esse setor. O fato da área ser voltada para o relacionamento propicia uma comunicação mais voltada às questões institucionais e não mercadológicas.

“Mercadologia não é o foco de RRPP. O foco é um relacionamento institucional, então eu vejo que o Segundo e Terceiro Setores têm bastante relação com o profissional. Muitos órgãos públicos, hoje, contratam estes profissionais, pois tem no seu organograma a atividade inserida, isso já foi um ganho em termos de espaço no mercado”, diz a coordenadora.

O caminho para a cura

O Instituto do Câncer Infantil RS é hoje uma referência no tratamento do câncer infantil na América Latina. Nos últimos anos atingiu um índice de cura de 70% dos casos atendidos, trabalhando em parceria com o Hospital de Clínicas de Porto Alegre sob a segurança de equipes especializadas.

Natal da Coragem ICI-RS 2012. Foto: Leonardo Kherkoven.

A Estrada de Tijolinhos Amarelos do ICI-RS começou a ser trilhada em 1992, quando o médico oncologista pediátrico Algemir Brunetto e o jornalista Lauro Quadros uniram esforços para criar, no Rio Grande do Sul, uma instituição voltada exclusivamente para o tratamento de crianças e adolescentes com câncer. O universo da obra “O Mágico de Oz”, escrita por Frank Baum e estrelada no cinema por Judy Garland, passou a ser o emblema da causa: o Leão representa para as crianças a “coragem” que torna possível enfrentar e vencer a doença e a Estrada dos Tijolinhos Amarelos simboliza a construção do caminho da cura.

Nos seus 21 anos de existência, a Instituição em parceria com a comunidade, construiu o Serviço de Oncologia Pediátrica junto ao Hospital de Clínicas de Porto Alegre, a Casa de Apoio, que oferece um ambiente acolhedor para as famílias dos pacientes em tratamento, a sede administrativa do ICI-RS, que abriga hoje as áreas administrativa, de comunicação, coordenação de voluntários, auditório, gabinete odontológico, recreação e de auxílio-medicação.

Possui também, desde 2011, uma sede na Rua São Manoel onde alguns projetos são realizados em prol das famílias, como a Central de Doações, o Projeto A Nota é Minha e o Brechó Beneficente e Assistência a Família. Mas, como a estrada do ICI-RS é construída tijolinho a tijolinho, o Instituto planeja unir a atual sede administrativa e o Centro de Apoio em um único local. Para isso, adquiriu um terreno onde será construído o Centro Integrado de Apoio, projeto para o qual vem arrecadando recursos para ser construído o mais breve possível.

Hadassa Gomes, estudante de Relações Públicas e colaboradora na área de comunicação no ICI-RS, entende que as Relações Públicas como gestão de relacionamento é fundamental na construção de relações em todos os setores organizacionais. “No Instituto do Câncer Infantil não é diferente, diariamente os desafios de compreender as mais complexas situações podem surgir com planejamento prévio ou não”, afirma.

A estudante ressalta a importância de todos os públicos envolvidos com a organização, pacientes, familiares, colaboradores, voluntários, comunidade, fornecedores, apoiadores, entre outros grupos que participam diariamente da rotina do ICI-RS. “Desta forma, nós como profissionais, temos o dever de identificar cada necessidade e apresentar soluções, visando a preservação dos pacientes e credibilidade da Instituição”, conclui Hadassa.

Stalkers

Stalkers

O termo "stalker" deriva da palavra em inglês “stalk”, que significa perseguir. Não existe uma...

ler mais
Gestão Emocional

Gestão Emocional

Aprender a lidar com as emoções nem sempre é simples, mas pode ser aprendido ao longo da vida....

ler mais

Seguidores! Vendas?

Hoje em dia as mídias sociais estão em alta, cada vez mais as pessoas gastam tempo consumindo...

ler mais

Stalkers

O termo "stalker" deriva da palavra em inglês “stalk”, que significa perseguir. Não existe uma tradução literal para o português, mas pode-se...

Gestão Emocional

Aprender a lidar com as emoções nem sempre é simples, mas pode ser aprendido ao longo da vida. Trata-se de uma habilidade de compreender, controlar...

Seguidores! Vendas?

Hoje em dia as mídias sociais estão em alta, cada vez mais as pessoas gastam tempo consumindo conteúdos no Instagram, por exemplo. As empresas já...

Pin It on Pinterest