julho/2021 | Notícias

Moda digital: você entraria nessa onda?

Você já ouviu falar do termo moda digital? Segundo informações publicadas pela FFW, Fashion Forward da UOL, a moda digital “fazia parte de um universo que foi, inicialmente, mais ligado ao mercado de games e skins para personagens de jogos, mas que vem se transformando em um mercado de roupas digitais e se estende para pessoas reais, onde você pode comprar e utilizar peças desenvolvidas única e exclusivamente de forma digital, sem a necessidade de estar inserido em um jogo eletrônico”. Sendo assim, a moda digital vem a se tornar tendência fashion no mundo virtual e, cada vez mais, conquista consumidores, bem como abre portas para designers e estilistas locais.

Primeira peça adquirida por Paula no site DRESS X: casaco digital branco e roxo com escritas sobrepostas; produto aplicado conforme a pose da foto (foto: arquivo pessoal)

Conversamos com a professora da PUCRS, Dra. Paula Puhl, formada em jornalismo e amante da moda, com visão crítica da área da comunicação. Durante a entrevista, Paula fala que, apesar de a moda digital estar sendo usada como estratégia de comunicação por várias startups e marcas de luxo internacionais, ainda é uma onda muito recente no mercado. A professora relata que, além de ser uma inovação sustentável, que não causa desperdício, nem contribui de forma expressiva para emissão de gases na atmosfera, é um comércio inclusivo e abrange muitos estilistas que querem se inserir de forma definitiva. Uma dica de site para conhecer mais sobre roupas digitais é o DRESS X (dressx.com), uma plataforma multimarcas que acolhe diversos profissionais com diferentes estilos.

Durante nosso bate-papo, a jornalista comentou que, com o avanço digital, as marcas tiveram que se adaptar ao meio on-line, criar estratégias e atrair novos públicos. Uma dessas estratégias foi a criação das roupas digitais exclusivas. Marcas como Gucci e Louis Vuitton, em parcerias com empresas tech, inseriram em aplicativos já existentes em suas coleções skins para personagens, com o propósito de manter o cliente mais tempo no ambiente de compras. 

Segunda peça adquirida no site DRESS X, um tênis digital de corrida em chamas, já aplicado e editado na foto que foi enviada (arquivo pessoal)

Sobre as roupas digitais, a professora relatou como foi a sua experiência no site DREES X, passando pela compra, processo de envio das fotos e recebimento do produto. Primeiro, ao acessar o site e efetuar a compra do produto, há uma explicação de como as fotos devem ser mandadas para ser feita a edição. O que achamos muito legal é o fato de todas as peças possuírem os tecidos e os materiais utilizados na descrição, bem como a aplicação em os diferentes tipos de corpos, além do nome dos estilistas e designers criadores.

De forma geral, a experiência foi muito positiva, com o atendimento prestativo e atento em todos os detalhes. A foto com a peça é recebida por e-mail, com a descrição de tecidos digitais, e reforço sobre a questão ambiental e sustentável que as roupas digitais oferecem.

Questionada sobre a aderência da moda digital na cultura brasileira, a jornalista expressa uma opinião  clara e diz que acredita ser necessária ainda muita pesquisa das marcas e organizações com relação à aceitação da roupa digital pelo consumidor, usando grupos focais, apuração de tendências e outras técnicas para entender se os públicos realmente as usariam. Ainda assim, Paula acredita que demorará mais alguns anos para essa moda chegar ao mercado brasileiro.   

E você, leitor? Após aprender mais sobre esse novo jeito de fazer moda que vem chegando por aí, o que achou dessa novidade? Entraria nessa nova onda? 

Veja mais em 

Encontre um conteúdo do seu interesse

Utilize o campo abaixo para buscar por palavras-chave.

Pin It on Pinterest

Compartilhe!