Os alunos do Curso de Produção Audiovisual da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul têm como seu projeto de conclusão de curso a criação de um curta metragem criado por eles mesmos. A proposta consiste em os alunos se organizarem e dividirem as tarefas para a produção cinematográfica, ou seja, cada um assume uma função para tocar o projeto, como, por exemplo, diretor, diretor executivo, diretor de arte, elenco, figurinistas, entre outros. O curta conta com 25 alunos envolvidos na produção e, pela primeira vez na história do Curso, com uma parceria com os alunos de Cinema de Animação da Universidade Federal de Pelotas. Conversamos com os produtores do curta Ao Pé da Estrada e vamos contar um pouco como funciona esta etapa final da graduação no do curso de Produção Audiovisual.

Inicialmente, os alunos tiveram a proposta de fazer um longa metragem que seria adaptado para uma série. Porém, nos moldes de produção da PUCRS e no que seria viável financeiramente, eles adaptaram o roteiro para fazer um curta. O projeto foi inspirado na narrativa criacionista bíblica, baseado na história de Adão e Eva no Éden. A história é uma releitura ambientada num mundo distópico pós-civilização. Os produtores contam que, apesar de aproveitar os nomes e inspirar reflexões sobre a história original, em Ao Pé da Estrada quem determina o permitido e o proibido é o Velho Mago. Até que a jovem Eva descobre a semente Baru, que a faz questionar os limites impostos pelo Velho Mago.

Em relação a receptividade dos professores, eles nos contaram que, como orientadores, eles devem receber todos os projetos com os mesmos olhos, e tentam ajudar da forma que mais convém para cada tipo de dificuldade que surge durante a produção. No caso de Ao Pé da Estrada, os professores ficaram bem preocupados de início, pelas dificuldades que os alunos passariam durante a produção, afinal, como tirar esse projeto tão específico do papel? Apesar disso, eles mantiveram a equipe alinhada para que tudo ocorresse bem. Os alunos procuraram obter a verba necessária por meio de financiamento coletivo através da plataforma catarse.me. Assim, foi possível que o projeto fosse viabilizado dentro do que o orçamento necessitava. Por fim, a coprodução com o Curso de Cinema de Animação da UFPEL fez com que o projeto se destacasse entre os professores em comparação com os outros 4 projetos da turma.